23 de January de 2020

MULHERES E DISCURSOS – Marie-Hélène Brousse

Este livro dá ao leitor mostras das razões por que Marie-Hélène Brousse se tem consolidado como referência internacional, reconhecida para…


Este livro dá ao leitor mostras das razões por que Marie-Hélène Brousse se tem consolidado como referência internacional, reconhecida para além do Campo freudiano, no qual se inscreve, e fora do próprio campo da psica- nálise, em que atua há muitos anos como psicanalista em Paris. O rigor e a originalidade do seu ensino, presentes nestes escritos, são marcas de um estilo singular que enfrenta os paradoxos da transmissão da própria psicanálise.

Mulheres e discursos revela o alcance do seu vasto repertório, afinado aos tempos atuais, mas sem se restringir ao tema, sempre atual e candente, das mulheres e do feminino, que ex-siste a despeito dos deslocamentos dos mo- vimentos feministas ocorridos em nossa civilização. Ao iluminar esse tema, a autora ensina, não somente ao psicanalista, como estar à altura da subjetividade da época e conhecer “a espiral” que nos arrasta no século xxi.

Em cada capítulo, o leitor poderá constatar que se trata de escritos sobre a época, nos quais a psicanalista tece sua leitura dos impasses que assolam o sujeito contemporâneo. E por estar em jogo, sobretudo, uma questão de leitura, ela discorre sobre o que significa ler em psicanálise, extraindo das passagens de Jacques Lacan pelos filósofos um saber sobre a posição do leitor que convém ao psicanalista. Como proceder na leitura, que é sempre subjetiva e implica a transferência, seja esta positiva ou negativa, esclarecida ou negada?

A arte de saber ler a época requer, de entrada, abandonar a utopia de que a psicanálise seja uma visão de mundo, a Weltanschauung a que Freud fazia objeção. Não há o mundo, senão discursos, assim como não há uma ontolo- gia da mulher, senão mulheres como um fato de linguagem. Mulheres, não sem discursos. São as lições de Lacan extraídas da experiência psicanalítica sobre o sujeito da linguagem, carente em sua falta a ser e sujeitado ao discurso que o governa.

7

Marie-Hélène Brousse serve-se assim da força epistêmica da “disciplina de reviramento”, da psicanálise como o avesso do discurso do mestre, que evidencia a potência do significante regendo a vida de um sujeito, e abraça a incessante tarefa, de a a z, bem como necessária ao psicanalista, de recenseamento do que há de novo no discurso do mestre contemporâneo.

Num mundo sem centro, no qual a segregação se conjuga no plural, produzindo novas angústias e novos sintomas, e da ciência aliada ao império da estatística, que põem em marcha significantes mestres inéditos, modificando, entre tantas outras experiências, as da maternidade e da paternidade, não sem consequências para os “filhos da ciência”, estes novos fetiches do consumo, a psicanálise está em condições de responder aos impasses contemporâneos em proliferação. É o que a autora demonstra com afinco, valendo-se da psicanálise como convém, “realista no sentido do real”, segundo a leitura que faz de Jacques-Alain Miller, ou seja, tomando o discurso ao pé da letra, na sua materialidade depositada no sintoma e despojada de todo sentido religioso e saudosista.

Aqui, como não poderia deixar de ser, a arte de saber ler conjuga-se com a arte de bem dizer própria à psicanálise,1 o que a autora, certamente tomada por sua própria “paixão crítica”, explora com vigor capítulo após capítulo. Com generosidade, traz vinhetas de sua clínica, mas também fala de sua posição analisante, à qual sempre volta, de acordo com os princípios éticos da psicanálise, suficientemente advertida dos restos sintomáticos que exigem do psicanalista a supervisão constante da sua própria posição subjetiva.

Na tarefa contínua de bem dizer um modo de gozo singular que perma- nece, o feminino que ex-siste apesar das identidades que não repousam ali onde se pretendem, Marie-Hélène Brousse conta suas anedotas e recolhe um saber vivo produzido no lugar vazio recortado entre a causa analítica e as tantas disciplinas e temas atuais sobre os quais se debruça.

Nas passagens sobre as mulheres, que não escapam à querela do gênero e das identidades, a autora elucida a complexidade implicada na noção de

“corpo de mulher”, abrindo vias de investigação delineadas a partir das incidências das mutações do discurso do mestre contemporâneo numa clínica por construir, e que incluem as novas formas de homossexualidades femininas e as versões atualizadas da histeria nos tempos do uom.

8 mulheres e discursos

A autora discorre, ainda, sobre as lágrimas e o sangue, esses “fluidos femi- ninos por excelência”, entre outros tantos objetos das mulheres, como aqueles que inspiram o dom do amor, os loucamente desejados, os escondidos, mas também os perdidos, os invejados e até os arrebatados, brindando o leitor com o brilho mágico da lantejoula em sua fina análise dos objetos libidinais que os ditames da moda sabem explorar. Mas não sem a localização de um objeto precioso, estranho e inclusive angustiante em causa no cerne do funcionamento libidinal do sujeito, o objeto a, que o captura ali onde, mesmo na “sociedade da transparência” e dos desvarios da identidade, ele não se reconhece.

Que a porta de entrada para o leitor seja aquela que o convoque a pôr algo de si nas passagens das quais, certamente, poderá extrair um ensino à altura do legado de Jacques Lacan.

Maria Josefina Sota Fuentes

1 Cf. miller, Jacques-Alain. “Ler um sintoma” (2011). Disponível em https://ebp.org.br/sp/ ler-um-sintoma/

Related Posts

GLIFOS REVISTA VIRTUAL DE LA NEL CIUDAD DE MÉXICO #12

19 de dezembro de 2019

19 de dezembro de 2019

Editorial   La escritura en la escuela    “Lo que no cesa de escribirse se sostiene mediante un juego de...

El pase, antes del pase… y depués – Irene Kuperwajs (EOL)

6 de dezembro de 2019

6 de dezembro de 2019

Nos encontramos ante un trabajo de tesis, por tanto de formato universitario, interesado por uno de los temas cruciales de...

ENFANTS VIOLENTS – sous la direction de Caroline Leduc et Daniel Roy

3 de dezembro de 2019

3 de dezembro de 2019

Travaux de l’Institut psychanalytique de l’Enfant NAVARIN ÉDITEUR À PARIS 6 e « Enfants violents ! », dit-on de ces « fauteurs de troubles » qui...

Creencia…en el síntoma – Luis Tudanca (EOL)

20 de novembro de 2019

20 de novembro de 2019

 Síntoma e inconsciente Lacan introduce el tema de a poco. Lo hace en el Seminario 22, “RSI” donde parte de...

The Lacanian Review No. 8: ‘Nightmare’

19 de novembro de 2019

19 de novembro de 2019

New Lacanian School (NLS) / World Association of Psychoanalysis (WAP) present: Release Date: December 2019 Brief The Lacanian Review (TLR)...

Desire and its interpretation – Jacques Lacan

29 de outubro de 2019

29 de outubro de 2019

Jacques-Alain Miller: What does Lacan show us? He shows us that desire is not a biological function; that it is...

Una mujer sin maquillage – Libro de Gabriela Grinbaum (EOL)

29 de outubro de 2019

29 de outubro de 2019

Para el psicoanálisis, para los psicoanalistas, el enigma de lo femenino no está resuelto. Freud lo dejó en un callejón...

Revista Desassossegos 3 – Educar, Governar, Psicanalisar na Era Digital

18 de outubro de 2019

18 de outubro de 2019

EDITORIAL     por José Martinho   Embarcámos no digital.   Com novos sete pecados, diz o Facebook, mais a...

Del Padre al iPad. Familias y redes en la era digital – José R. Ubieto (coord.), Lidia Ramírez, Francesc Vilà et alt.

10 de outubro de 2019

10 de outubro de 2019

Lacan, en su primera enseñanza, creyó que lo simbólico (el lenguaje y la palabra) tenían un poder sobre lo imaginario,...

La locura de cada uno – Gabriela Camaly y Alejandra Glaze (compiladoras)

15 de agosto de 2019

15 de agosto de 2019

Indice   Presentación, Gabriela Camaly y Alejandra Glaze     Locuras ordinarias. Variaciones   Las psicosis ordinarias y la reordenación...

Esto no es un diagnóstico – Adrián Scheinkestel (EOL)

7 de agosto de 2019

7 de agosto de 2019

“El psicoanálisis le recuerda a la psiquiatría su propio pasado, el del siglo xixy comienzos del xx, el de la...

Women and Life – Or the Curse of the Breeders; Marie-Hélène Brousse (ECF)

18 de julho de 2019

18 de julho de 2019

Translated by Janet Haney From: www.thelacanianreviews.com Have you seen and listened to Kay Ivey? A powerful old lady! She is...

El factor infantil – Revista Lacaniana 26

16 de julho de 2019

16 de julho de 2019

  Están gritando, ¿habrá aparecido el lobo? O gritan de enloquecidas! Mujeres pequeñas gritan mientras una niña, bastante más grande...

Freudiana 86, julio 2019. Inconsciente y cerebro: nada en común

13 de julho de 2019

13 de julho de 2019

Eliminar a Freud de la iniciación al saber es coherente con el éxito actual del paradigma de lo neuro, que...

Comments
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.