7 de July de 2020

Nenhum pai para ver que estou queimando – Cristina Drummond (EBP)

Texto extraído do Boletim OCI 2 Para ler o boletim na íntegra clique aqui: ix.enapol.org/boletim-oci-2 Lacan dizia, no início dos…


Texto extraído do Boletim OCI 2

Para ler o boletim na íntegra clique aqui: ix.enapol.org/boletim-oci-2

Lacan dizia, no início dos anos setenta, que o saber, em sua forma não sabida, é difícil de ser passado. O discurso analítico que se ocupa dos desvarios do gozo no momento atual da civilização nos leva a ter que nos debruçar sobre o que vemos ocorrer, com o objetivo de aprendermos a ler o que se passa e colher as respostas dos sujeitos. Essa leitura é o que permite nos orientarmos no real de nossa clínica, clínica na qual dar lugar à palavra não é nada simples.

Cristina Drummond (EBP)

Nesse sentido, me pareceu fundamental tomarmos o incêndio de grandes proporções que atingiu o Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo, em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio de Janeiro, no início de fevereiro. Havia 26 jovens dormindo no alojamento. Destes, morreram dez jogadores da base do clube, de idade entre 14 e 16 anos, e três ficaram feridos em estado grave. Esse incêndio deixou às claras a divisão discriminatória entre os alojamentos dos profissionais, que são confortáveis e seguros, e aqueles dos garotos, que permaneciam em containers precários. Essa solução segregacionista, que revela uma desigualdade que parecia encoberta pela ideia da oportunidade, só pode ser vista a partir desse retrato da realidade que em nada se assemelha ao paraíso prometido. O gozo racista que exclui, que não reconstitui um Outro e que faz suas exigências se deixa ver nas fotos do ocorrido.

Esse incêndio que nos deixa indignados nos evidencia o que Lacan nos ensinou a respeito da criança: ela vem ao mundo na posição de objeto, e sua face de dejeto deverá ser recoberta pelo desejo daqueles que a acolhem. Cada um de nós, diz ele no Seminário 17, é “determinado primeiro como objeto a”¹, na medida em que somos “todos abortos do que foi, para aqueles que (n)os engendraram, causa do desejo”².

Em nosso país, a perspectiva de se tornar um jogador de futebol de prestígio e com a possibilidade de sair de uma condição econômica precária é um sonho para muitos. Ao estilo da pequena miss Sunshine, os jovens encontrados por olheiros de clubes, que passam a ser os detentores de seus passes, são convocados a se inscreverem nessa carreira promissora. Essa perspectiva se impõe aos adolescentes e os convida a ultrapassar suas inibições e limites, propondo-lhes um gozo que se apresenta de modo feroz e imperativo. Sobretudo para esses jovens atletas talentosos, vindos das periferias pobres e sendo quase todos eles negros. Se a aposta é a de oferecer a esses meninos uma saída que não seja pela droga, pela morte ou pela degradação, o ocorrido nos deixa bastante descrentes dela.

Se a promessa é a de uma relação com o desejo e o fálico, o que se apresenta é a criança, tal como Lacan diz em suas “Duas notas sobre a criança”³, realizando a presença do objeto pulsional no fantasma, tomada não enquanto ideal, mas no gozo, seu e de seus pais.

Não houve pai para ver que os filhos estavam queimando e não houve despertar. O que se apresenta como descaso diante da vida não se inscreve num discurso organizado por significantes, mas como pura pulsão de morte que devora os sujeitos mal saídos da infância e faz deles oferendas à insaciável gulodice de um supereu desenfreado.

A outra face desse gozo capitalista decorrente do acesso aos bens de consumo, sua face mortífera, é o que surge nessa situação grave e terrível do incêndio no Flamengo: o pouco valor da vida dos jovens, a falta de perspectiva e como o Outro social os trata como objetos descartáveis. Enquanto o clube receberá este ano 700 milhões de patrocínio do Banco do Brasil, ele negocia o valor a ser pago às famílias das vítimas.

Vivemos num país onde o estudo é a primeira fonte de ascensão social, e a segunda, surpreendentemente, é o roubo. Como sustentar nossa aposta na palavra e no desejo quando nos vemos diante de incêndios que não temos como apagar?

Notas

¹ LACAN, J. O Seminário, livro 17: O avesso da psicanálise, Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 1994, p.152.

² _______ Ibid., p. 170.

³ LACAN, J. “Duas nota sobre a criança” In: Opção Lacaniana. Revista Brasileira Internacional de Psicanálise. São Paulo:
Edições Eolia. Abril 1998.

Related Posts

ATTENTAT SEXUEL – 50es Journées de l’ECF

15 de junho de 2020

15 de junho de 2020

LES QUATRE ARGUMENTS PART. 1 PAR LAURENT DUPONT Attentat sexuel, l’expression vient de Freud. Citons ce passage, il s’agit d’Emma...

Sexuação: a não-identidade do sexo – (Much Ado about Nothing) – Enric Berenguer (ELP)

4 de Maio de 2020

4 de Maio de 2020

  Praticamente nenhum significante-mestre em nossa época resistiu à comoção daquilo que o “desconstrucionismo”, acreditando-se agente, foi apenas um sintoma...

The Clinical Study Days 13 (CSD13) – Isolda Alvarez and Juan Felipe Arango (NLS)

26 de Março de 2020

26 de Março de 2020

Jouissance: The stuff that dreams are made of, were successfully held on New York from February 21st to 23th,2020. Gratefully...

Entrevista a Eric Laurent por Raquel Cors Ulloa Parte 2

11 de Março de 2020

11 de Março de 2020

Raquel Cors Ulloa: Éric, usted en su reciente reflexión sobre tres encuentros entre lo femenino y la no relación sexual[1],...

Todo el mundo quiere éxtasis – Marisa Morao (EOL)

9 de Março de 2020

9 de Março de 2020

    Comentario sobre el artículo Why Do We Think Suffering Is Good for Us? publicado en https://www.nytimes.com/2019/03/07/opinion/ketamine-depression.html Un enfoque...

Isak Dinesen, A feminilidade e a letra – Miquel Bassols (ELP)

1 de Março de 2020

1 de Março de 2020

  A relação entre a feminilidade * e a letra[1] foi colocada por Jacques Lacan em inúmeras ocasiões ao longo...

La máquina de grabar los sueños y su ininterpretable – Marga Auré (ECF)

15 de Fevereiro de 2020

15 de Fevereiro de 2020

  Si Freud ve en los sueños la vía real de acceso al inconsciente, la ciencia también se ha interesado...

The Feminine Uncanny, Saying the unsayable – Marcela Antelo and Iordan Gurgel (EBP)

14 de Fevereiro de 2020

14 de Fevereiro de 2020

translated by Marcela Antelo reviewed by Nicholas Csergo  and Gary Marshall 23rd Brazilian Encounter of the Freudian Field / 20th...

Le féminin unheimlich, Dire l’indicible – Marcela Antelo et Iordan Gurgel (EBP)

9 de Fevereiro de 2020

9 de Fevereiro de 2020

Traduction : Nicholas Csergo Révision : Pierre Louis Brisset Présentation de la XXIII Rencontre Brésilienne du Champ Freudien Le féminin est...

BOOMERANG – Beatriz Gonzalez-Renou (ECF)

9 de Fevereiro de 2020

9 de Fevereiro de 2020

HEBDO-BLOG Ce texte est un extrait de l’intervention de Beatriz Gonzalez-Renou à « Question d’École », le 1er février 2020. Si dès...

Infans #0 – Boletin de las XI Jornadas de la NEL

29 de Janeiro de 2020

29 de Janeiro de 2020

  Editorial Infans, es el Boletín que acompañará la preparación de las XI Jornadas de la NEL, “Lo insoportable de...

El misterio de los congresos – Mitra Kadivar (AMP)

26 de Janeiro de 2020

26 de Janeiro de 2020

Traducción: Ana Cecilia González Tengo la impresión de haber escuchado el nombre de Freud desde siempre, pero no fue hasta...

Puissance de la parole. Clinique de l’École – Entretien Laurent Dupont (ECF)

25 de Janeiro de 2020

25 de Janeiro de 2020

From L’Hebdo-blog    L’Hebdo-Blog : « Clinique de l’École », est le sous-titre de la journée. C’est équivoque n’est-ce pas ? Laurent Dupont : « Question...

Lo insoportable de la infancia – Entrevista a Eric Laurent (primera parte)

24 de Janeiro de 2020

24 de Janeiro de 2020

XI JORNADAS DE LA NEL BOGOTÁ, 23, 24 Y 25 DE OCTUBRE DE 2020 VIDEO  

Comments
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.