18 de October de 2019

Por onde anda a “sensibilidade inteligente”? – Marcia Stival Onyszkiewicz (EBP)

Por onde anda a “sensibilidade inteligente”[1]? Inicio minha participação no Blog da AMP, salientando ecos extraídos do cotidiano e que…


Por onde anda a “sensibilidade inteligente”[1]?

Inicio minha participação no Blog da AMP, salientando ecos extraídos do cotidiano e que me tocam intimamente a ponto de escrever. O recorte que hoje trago, advém de reflexões e de leituras sobre a situação do Brasil, a partir da psicanálise de orientação lacaniana e do que posso aprender com a arte.

Reconhecido pelas belezas naturais e favorecido pela abundância de recursos energéticos e ambientais, o Brasil tem sido mundialmente destacado por outras facetas. Nas diferentes mídias veiculam-se os inúmeros casos de corrupção, as constantes quedas no crescimento da economia, o alto índice de desemprego, as devastações no ecossistema, os fatos permeados de violência … que explicitam uma realidade impactante. Assim, edifica-se um cenário que nos remete aos campos político, social, ambiental e econômico, com evidências que instigam reflexões. Isto porque, as dimensões e repetições dos fatos favorecem que o significante “crise” inscreva-se como um dos mais presentes, nas expressões dos brasileiros.

Recorro à etimologia para destacar que “crise” vem do latim (crisis) e refere-se a um “ momento em que se deve decidir se um assunto ou o seguimento de uma ação deve ser levado adiante, alterado ou interrompido; momento crítico ou decisivo.”[2]

Então, se o significante “crise” clama por verificações e mudanças, vale considerar  que muitos dos movimentos que visam decifrar e até solucionar os impasses da contemporaneidade, recorrem ao sentido. Nesta direção, deixar-se tapear pelo pai é um caminho inevitável. Trata-se de uma busca incessante pelas respostas que as tecnociências e as manifestações capitalistas proporcionam. Ganham espaços os aconselhamentos terapêuticos, as promessas veiculadas pelo marketing e as informações online que mobilizam uma grande quantidade de pessoas e direcionam posicionamentos, marcando que “a maior necessidade da espécie humana é que haja um Outro do Outro. É aquele a quem chamamos geralmente Deus…”[3].

Esta busca incessante por soluções demandadas ao novo mestre, não impede que cada um depare-se continuamente com as contingências, promovendo o encontro com o que não tem lei e diante do que não se tem palavras. Assim, considero que a desorientação atrelada às contínuas desconexões, favorecem a presença do significante “crise” de modo ilimitado na atualidade. E como consequência, verificamos muitas pessoas colocando-se como objeto, debatendo-se diante do real, tentando agarrar-se nas promessas encantadoras.

Deste modo, a realidade impactante, a crise ininterrupta em vários âmbitos e a busca de sentido, nos diz de uma época em que a contabilização dá as cartas do jogo, aliada em algumas circunstâncias a movimentos que visam revolução.  Como resultado, cada vez mais diversificadas são as expressões de desorientação.

 “O esforço de poesia é tudo o que nos resta quando o ‘ainda um esforço para sermos revolucionários’ foi retirado de cartaz. Por isso mesmo o esforço de poesia parece suspeito de ser o eco da revolução.” [4]

Neste esforço, o que se leva em conta é a existência de um movimento para tocar no dizer. Assim, os acontecimentos poderiam reavivar a angústia e, para alguns, fazer de cada “tremor”[5]um período que vai além das queixas? Esta desestabilização a partir do que o contexto evidencia ao mobilizar a subjetividade, possibilita a verificação dos limites dos discursos da ciência e do capitalismo?

Eis um encaminhamento que considera a ruptura, deslocada do imperativo de tudo recobrir e solucionar. Com isso, “ se as pessoas denunciam o que chamam de intelectualização, é simplesmente por estarem habituadas, por experiência, a perceber que de modo algum é necessário e de modo algum é suficiente compreender algo para que este se modifique.”[6]

 Mas se o recomeço torna-se importante, principalmente em tempos difíceis, que seja guiado pela sensibilidade inteligente, como retrata Clarice Lispector. Na contramão da inteligência pura, da qual também a escritora se beneficiou, a sensibilidade inteligente a guiou, lhe foi importante para viver e entender os outros. Seria esta sensibilidade inteligente uma disponibilidade para estar na vida, sem esperar nada dela, guiada pela condição de que cada momento é único e passível de invenções?

Minha aposta segue por esta perspectiva, que leva a refletir se estaria aí uma das grandes contribuições dos artistas para os psicanalistas: estar na vida, construindo-a a cada dia. Isso pressupõe tomadas de decisões, interrupções e mudanças. Uma perspectiva que torna possível o psicanalista acompanhar seu tempo.  Afinal, o “analista não é indiferente, ele não é aquele que não escolhe, pois tem uma ética. O simples fato de Lacan ter acreditado poder desenvolver uma ética da psicanálise comporta que há uma escolha na própria posição do analista. Notemos que a palavra ‘ética’ não é a palavra ‘moral’ e ela inclui, de bom grado, a política.”[7]

[1]N.A.: Sensibilidade inteligente é o nome de uma crônica de Clarice Lispector. In: LISPECTOR, Clarice. Aprendendo a viver. Rio de Janeiro: editora Rocco, 2004, p.

[2]Dicionário Michaelis online. In: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/crise/

[3]LACAN, J. O Seminário, livro XXIII: o sinthoma.Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007, p. 124

[4]MILLER, J.-A. Curso Um esforço de poesia.Décima nona lição, 11 de junho de 2003).

[5]_________ El ultimíssimo Lacan  – Los cursos psicoanalíticos de Jacques-Alain Miller. Buenos Aires: Paidós, 2014, p. 208.

[6]—————. Falando com as paredes. Rio de Janeiro: J. Zahar editor, 2011,  p.36

[7]—————– Ponto de Basta In: Opção Lacaniana – Revista Brasileira Internacional de Psicanálise. São Paulo: edições Eolia, julho 2018, p. 31.

Related Posts

From Speaking in Analysis to Writing a Case – Jeff Erbe (NLS)

17 de outubro de 2019

17 de outubro de 2019

Working on the theme ‘constructions’ stirred questions about the relationship between the speaking body in analysis and ‘what is written’...

A Challenge to the Universal – Maria Cristina Aguirre

10 de outubro de 2019

10 de outubro de 2019

I work in a municipally run general hospital located in Queens, New York, in the outpatient clinic (also called Ambulatory...

LA SEXUALIDAD EN TIEMPOS DE FEMINISMOS – Gabriela Camaly (EOL)

9 de setembro de 2019

9 de setembro de 2019

Este texto corresponde a la intervención realizada en la mesa plenaria “Versiones del amor”, en las VIII Jornadas sobre Lo...

Quatre perspectives sur la différence sexuelle – Daniel Roy (ECF)

9 de setembro de 2019

9 de setembro de 2019

  Tous les deux ans, le Comité d’initiative de l’Institut de l’Enfant soumet à Jacques-Alain Miller des propositions de thème...

Mujeres y Vida – O la Maldición de las Criadoras. Por Marie-Hélène Brousse (ECF

13 de agosto de 2019

13 de agosto de 2019

Traducción: María Paz Varela ¿Han visto o escuchado a Kay Ivey? ¡Una mujer vieja y poderosa! Ella es la actual...

Una memoria da campionato – Marco Focchi (SLP)

6 de agosto de 2019

6 de agosto de 2019

Uno dei campi in cui le neuroscienze prediligono esercitarsi è quello della memoria. Dico esercitarsi perché si tratta propriamente di...

Une affaire de corps – Patrick Monribot (ECF))

2 de agosto de 2019

2 de agosto de 2019

« Le réel, (…), c’est le mystère du corps parlant, c’est le mystère de l’inconscient. »[1] La phrase a été...

La “sensibilitée intelligente”, où est-elle ? – Marcia Stival Onyszkiewicz (EBP)

7 de julho de 2019

7 de julho de 2019

La “sensibilitée intelligente”, où est-elle ?[1] Je commence ma participation au blog de l’AMP, en soulignant les échos extraits de...

Pluralisation des ségrégations – Alice Delarue (ECF)

5 de julho de 2019

5 de julho de 2019

Publié sur HebdoBlog La ségrégation, sous ses formes actuelles, concerne de façon brûlante la psychanalyse, du moins celle qui est...

Una carta de amor – Paula Rodríguez Acquarone (EOL)

4 de julho de 2019

4 de julho de 2019

Me pregunté a propósito del título de esta mesa, cuantas versiones del amor habría en el libro Feminismos[2], si uno...

A la pointe de l’érotisme féminin – Anaëlle Lebovits-Quenehen (ECF)

17 de junho de 2019

17 de junho de 2019

Dans son sens courant, l’érotisme relève du désir amoureux, ou plus exactement, de ce qui éveille ce désir. L’érotisme féminin...

La complejidad de la validación científica. Saber y poder – por Gustavo Stiglitz (EOL)

16 de junho de 2019

16 de junho de 2019

Observamos que en general, las legislaciones en salud mental toman a los llamados criterios científicos, como tabla de orientación para...

Dangerous Attraction, politics and religion – by Daniela Affonso (EBP)

13 de junho de 2019

13 de junho de 2019

I’ve always imagined the following scene as one of solemnity. Freud, invited by North-American psychologist Stanley Hall to speak at...

Atração perigosa, política e religião – Daniela Affonso (EBP)

13 de junho de 2019

13 de junho de 2019

TEXTO EM PORTUGUÊS   Sempre imaginei a cena seguinte como um momento solene. Freud, convidado a ir aos Estados Unidos...

All- Inclusive… Language? – by Isolda Alvarez

6 de junho de 2019

6 de junho de 2019

The beginning of this century has brought many changes… we have been catching up with them long time ago. One...

Comments
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.