12 de July de 2020

Por onde anda a “sensibilidade inteligente”? – Marcia Stival Onyszkiewicz (EBP)

Por onde anda a “sensibilidade inteligente”[1]? Inicio minha participação no Blog da AMP, salientando ecos extraídos do cotidiano e que…


Por onde anda a “sensibilidade inteligente”[1]?

Inicio minha participação no Blog da AMP, salientando ecos extraídos do cotidiano e que me tocam intimamente a ponto de escrever. O recorte que hoje trago, advém de reflexões e de leituras sobre a situação do Brasil, a partir da psicanálise de orientação lacaniana e do que posso aprender com a arte.

Reconhecido pelas belezas naturais e favorecido pela abundância de recursos energéticos e ambientais, o Brasil tem sido mundialmente destacado por outras facetas. Nas diferentes mídias veiculam-se os inúmeros casos de corrupção, as constantes quedas no crescimento da economia, o alto índice de desemprego, as devastações no ecossistema, os fatos permeados de violência … que explicitam uma realidade impactante. Assim, edifica-se um cenário que nos remete aos campos político, social, ambiental e econômico, com evidências que instigam reflexões. Isto porque, as dimensões e repetições dos fatos favorecem que o significante “crise” inscreva-se como um dos mais presentes, nas expressões dos brasileiros.

Recorro à etimologia para destacar que “crise” vem do latim (crisis) e refere-se a um “ momento em que se deve decidir se um assunto ou o seguimento de uma ação deve ser levado adiante, alterado ou interrompido; momento crítico ou decisivo.”[2]

Então, se o significante “crise” clama por verificações e mudanças, vale considerar  que muitos dos movimentos que visam decifrar e até solucionar os impasses da contemporaneidade, recorrem ao sentido. Nesta direção, deixar-se tapear pelo pai é um caminho inevitável. Trata-se de uma busca incessante pelas respostas que as tecnociências e as manifestações capitalistas proporcionam. Ganham espaços os aconselhamentos terapêuticos, as promessas veiculadas pelo marketing e as informações online que mobilizam uma grande quantidade de pessoas e direcionam posicionamentos, marcando que “a maior necessidade da espécie humana é que haja um Outro do Outro. É aquele a quem chamamos geralmente Deus…”[3].

Esta busca incessante por soluções demandadas ao novo mestre, não impede que cada um depare-se continuamente com as contingências, promovendo o encontro com o que não tem lei e diante do que não se tem palavras. Assim, considero que a desorientação atrelada às contínuas desconexões, favorecem a presença do significante “crise” de modo ilimitado na atualidade. E como consequência, verificamos muitas pessoas colocando-se como objeto, debatendo-se diante do real, tentando agarrar-se nas promessas encantadoras.

Deste modo, a realidade impactante, a crise ininterrupta em vários âmbitos e a busca de sentido, nos diz de uma época em que a contabilização dá as cartas do jogo, aliada em algumas circunstâncias a movimentos que visam revolução.  Como resultado, cada vez mais diversificadas são as expressões de desorientação.

 “O esforço de poesia é tudo o que nos resta quando o ‘ainda um esforço para sermos revolucionários’ foi retirado de cartaz. Por isso mesmo o esforço de poesia parece suspeito de ser o eco da revolução.” [4]

Neste esforço, o que se leva em conta é a existência de um movimento para tocar no dizer. Assim, os acontecimentos poderiam reavivar a angústia e, para alguns, fazer de cada “tremor”[5]um período que vai além das queixas? Esta desestabilização a partir do que o contexto evidencia ao mobilizar a subjetividade, possibilita a verificação dos limites dos discursos da ciência e do capitalismo?

Eis um encaminhamento que considera a ruptura, deslocada do imperativo de tudo recobrir e solucionar. Com isso, “ se as pessoas denunciam o que chamam de intelectualização, é simplesmente por estarem habituadas, por experiência, a perceber que de modo algum é necessário e de modo algum é suficiente compreender algo para que este se modifique.”[6]

 Mas se o recomeço torna-se importante, principalmente em tempos difíceis, que seja guiado pela sensibilidade inteligente, como retrata Clarice Lispector. Na contramão da inteligência pura, da qual também a escritora se beneficiou, a sensibilidade inteligente a guiou, lhe foi importante para viver e entender os outros. Seria esta sensibilidade inteligente uma disponibilidade para estar na vida, sem esperar nada dela, guiada pela condição de que cada momento é único e passível de invenções?

Minha aposta segue por esta perspectiva, que leva a refletir se estaria aí uma das grandes contribuições dos artistas para os psicanalistas: estar na vida, construindo-a a cada dia. Isso pressupõe tomadas de decisões, interrupções e mudanças. Uma perspectiva que torna possível o psicanalista acompanhar seu tempo.  Afinal, o “analista não é indiferente, ele não é aquele que não escolhe, pois tem uma ética. O simples fato de Lacan ter acreditado poder desenvolver uma ética da psicanálise comporta que há uma escolha na própria posição do analista. Notemos que a palavra ‘ética’ não é a palavra ‘moral’ e ela inclui, de bom grado, a política.”[7]

[1]N.A.: Sensibilidade inteligente é o nome de uma crônica de Clarice Lispector. In: LISPECTOR, Clarice. Aprendendo a viver. Rio de Janeiro: editora Rocco, 2004, p.

[2]Dicionário Michaelis online. In: http://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/crise/

[3]LACAN, J. O Seminário, livro XXIII: o sinthoma.Rio de janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007, p. 124

[4]MILLER, J.-A. Curso Um esforço de poesia.Décima nona lição, 11 de junho de 2003).

[5]_________ El ultimíssimo Lacan  – Los cursos psicoanalíticos de Jacques-Alain Miller. Buenos Aires: Paidós, 2014, p. 208.

[6]—————. Falando com as paredes. Rio de Janeiro: J. Zahar editor, 2011,  p.36

[7]—————– Ponto de Basta In: Opção Lacaniana – Revista Brasileira Internacional de Psicanálise. São Paulo: edições Eolia, julho 2018, p. 31.

Related Posts

Aguafuertes analíticas – Alejandra Breglia (EOL)

25 de junho de 2020

25 de junho de 2020

  El eco de los aplausos resuena, me sorprenden las nueve de la noche. Debería estar preparando la cena, pero...

Clorox & Parkz – Isolda Alvarez (NLS)

2 de junho de 2020

2 de junho de 2020

Psychoanalysts invest their lives re-inventing the ways in which they deal with their own versions of the real, what jouissance...

El despertador – Patricia Moraga (EOL)

6 de Maio de 2020

6 de Maio de 2020

¿Cómo puedo estar segura de que no estoy soñando? Podría ser que, ahora mismo, lo que creo que es realidad...

Banality of the Real – Bogdan Wolf (London Society-NLS)

6 de Maio de 2020

6 de Maio de 2020

It is not a secret that Count Johnson has been using services of various cunning advisers who stand behind his...

The Real of Analytic Abstinence – Geert Hoornaert, Belgium (KRING-NLS)

28 de Abril de 2020

28 de Abril de 2020

  from Lacanian Review Online After Freud pointed out that nothing can be killed in absentia or in effigy, Lacan...

UNA FANTASIA – Néstor Yellati (EOL)

23 de Abril de 2020

23 de Abril de 2020

publicado en Grama Ediciones #CrónicasXXI-31 Pertenezco al gran grupo de los indignados.  Si, mi indignación, como la de muchos, supero...

La sombra de una sociedad policial aún se cierne sobre el futuro – Óscar Ventura (ELP)

20 de Abril de 2020

20 de Abril de 2020

Publicado em Diario  – 13 de abril de 2020 Óscar Ventura lleva semanas atendiendo en Alicante las urgencias de sus...

El reto del sinsentido en la era digital – José R. Ubieto. Psicoanalista en Barcelona (ELP)

17 de Abril de 2020

17 de Abril de 2020

  En la era digital, el humor toma la delantera a lo cómico y al chiste. Millones de memes invaden...

Encontrar en el mismo impasse de una situación la fuerza vital del deseo – Marie-Hélène Brousse (ECF)

31 de Março de 2020

31 de Março de 2020

Traduccíon Karen Edelsztein   “Es la guerra contra el virus “. “Guerra”, este fue el punto de almohadillado en el...

¿Un mundo en cuarentena? – José R. Ubieto (ELP)

14 de Março de 2020

14 de Março de 2020

 El COVID-19 [1]es un nuevo nombre de lo real, eso que de entrada no tiene todo el sentido ya que ...

Ciencia y sueño – El sueño, el dormir y lo intraducible – Gustavo Stiglitz (EOL)

28 de Fevereiro de 2020

28 de Fevereiro de 2020

  “Todas las ciencias descansan en observaciones y experiencias mediadas por nuestro aparato psíquico; pero como nuestra ciencia tiene como...

Un análisis de las masas a partir de las modalidades del Uno, el plus de goce y el no-todo – Marcela Ana Negro (EOL)

4 de Fevereiro de 2020

4 de Fevereiro de 2020

En “Psicología de las masas y análisis del yo”, Sigmund Freud señala: “Habría que prestar atención a las masas de...

El silenciamiento como violencia – Patricia Moraga (EOL)

3 de Fevereiro de 2020

3 de Fevereiro de 2020

  En Vidas precarias, Judith Butler se propone interrogar la vida política en conexión con la violencia.[1] Introduciendo el concepto...

El misterio de los congresos – Mitra Kadivar (AMP)

26 de Janeiro de 2020

26 de Janeiro de 2020

Traducción: Ana Cecilia González Tengo la impresión de haber escuchado el nombre de Freud desde siempre, pero no fue hasta...

Silencing as Violence – Patricia Moraga (EOL)

23 de Janeiro de 2020

23 de Janeiro de 2020

  In Precarious Life, Judith Butler proposes investigating the connection between political life and violence.[1] Introducing the concept of vulnerability,...

Comments
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.