15 de December de 2019

Quando o dia virou noite na maior cidade do Brasil – Marcia Stival Onyszkiewicz (EBP)

  Em meio às modificações na paisagem urbana, cada vez mais frequentes, a mudança climática tem expresso relevante destaque[1]. Os…


 

Em meio às modificações na paisagem urbana, cada vez mais frequentes, a mudança climática tem expresso relevante destaque[1]. Os efeitos de rápidos avanços tecnológicos conciliados com um processo irracional que ilimitadamente visa o acúmulo de capital, contribuem para a evolução de um cenário caótico. Uma versão contemporânea das consequências que “A máquina do mundo”, tão bem descrita por Carlos Drummond de Andrade, na década de 50.

 

“ … os recursos da terra dominados,

e as paixões e os impulsos e os tormentos

e tudo que define o ser terrestre

ou se prolonga até nos animais

e chega às plantas para se embeber

no sono rancoroso dos minérios,

dá volta ao mundo e torna a se engolfar

na estranha ordem geométrica de tudo,…”

 

Dentre os variados acontecimentos que favorecem uma reflexão a partir da poesia, estão as ondas de incêndio, a exploração agropecuária e de mineradoras, que favorecem índices assustadores de desmatamento na floresta Amazônica e numa rapidez sem precedentes. Um fato com repercussões mundiais, quando leva-se em conta que a Amazônia é responsável por “até um quarto de tudo o que florestas absorvem de carbono a cada ano”[2] e que hoje ela dá sinais da emissão de um alto índice de CO2 decorrente das queimadas.

Para tornar ainda mais preocupante a situação, “os atuais modelos climáticos sugerem que as árvores têm capacidade de remover grande parte das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem, da atmosfera. No entanto, uma nova pesquisa indica que a capacidade de absorção da floresta é limitada pelo conteúdo de fósforo no solo.”[3]

E o que cabe aos analistas, senão fazer uso da palavra, este instrumento cada vez mais utilizado para veicular ações desmedidas de autoritarismo e luta pelo poder?

Então, se a poesia de Drummond referencia um movimento de exploração, submissão e repetição, não há como desconsiderar a hipótese de que hoje “A máquina do mundo” é regida por uma urgência que aumenta a expressão da revolta, tornando seu funcionamento ainda mais nocivo.

Mas por que vias focar a urgência? E por que viés ela poderá se articular à revolta?

Para abordar uma primeira vertente, torna-se pertinente resgatar o momento que a civilização da agricultura, que tinha seus norteadores nas estações e nos céus, cedeu a dominância para a civilização da indústria.[4] Eis a elevação dos gadgets, considerados como bússolas promovedoras de satisfação, comandando o discurso da civilização. Por esta lógica, “o sujeito trabalha, as identificações caem substituídas pela avaliação homogênea das capacidades, enquanto o saber se ativa em mentir assim como em progredir, sem dúvida.”[5] Tais elementos, conduzem a outra hipótese: o movimento está em adquirir objetos da cultura que produzam satisfação. Assim, a urgência para obter o capital e o poder, a qualquer preço, vem como promessa para tamponar a falha, que não fica mais recalcada pelos significantes mestres. O que está em jogo é a predominância de um imperativo de gozo, impulsionado pelo mestre moderno.

Mas este posicionamento que pressupõe atingir a felicidade, vem acompanhado do sacrifício. E é neste ponto que é possível pensar a articulação com revolta. “Se a revolta visa ao Outro, o privador, a trajetória de sua flecha atinge e perfura o próprio sujeito, uma vez que se trata de sua vida, da qual ele faz o desafio, que se sacrifica e que se arranca do que constitui a raiz da existência. Nisto, a revolta é uma estrutura em espelho: só atinjo o outro sacrificando a mim mesmo.”[6] Assim, nessa empreitada que se pauta no sacrifício, não se tem o retorno visado. A felicidade não chega conforme o esperado e a revolta pode ser inevitável. Só que ela retorna ao sujeito, porque algo de sua subjetividade é tocada, apesar de nem sempre ser escutada.

Em meio a este movimento regido pelo capitalismo, foi possível resgatar o título de uma exposição da artista Juliana Stein[7]: “Não está claro até que a noite caia”. Seria esta a via para que outra urgência se inscreva? E até onde os efeitos da “noite” precisam chegar para que a urgência subjetiva favoreça o rumo a uma análise?

Lacan, em 1966, ressaltou que enquanto houver um traço do que tem sido instaurado pela psicanálise, “haverá um psicanalista para responder a certas urgências subjetivas, se qualificá-las como artigo definido seria dizer demais, ou até mesmo desejar demais.”[8]

Por este direcionamento, que envolve a urgência subjetiva e a presença de um analista, é viável registrar outra possibilidade de conceber a revolta. Uma vertente que requer um percurso e pressupõe ter “isolado o seu impossível de suportar como sujeito e tendo tomado alguma distância desse intolerável. Para revoltar-se da boa maneira, convém ser avisado da reversão da revolta e de sua relatividade.”[9]

O início do percurso depende de cada um, bem como sua sustentação.

 

Obra de Juliana Stein, da exposição “ Não está claro até que a noite caia ”

 

[1] Referência ao dia 19 de agosto, quando na cidade de São Paulo o dia virou noite, por conta da fumaça vinda de queimadas na região da Amazônia.

[2] INPE. In: http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=5186

[3] INPE. In: http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=5186 São Paulo, 07/08/19.

[4] MILLER, J.-A. Uma fantasia In: Opção Lacaniana N. 42 Revista Brasileira Internacional de Psicanálise São Paulo: EBP, 2005.

[5] MILLER, J.-A. Uma fantasia In: Opção Lacaniana N. 42 Revista Brasileira Internacional de Psicanálise São Paulo: EBP, 2005.

[6] MILLER, J.-A. Como se revoltar? In: Opção Lacaniana – Revista Brasileira Internacional de Psicanálise N. 80/81. São Paulo: Eolia, p. 15.

[7] Juliana Stein, artista visual brasileira, trouxe este título pra a exposição que fez no Museu Oscar Niemeyer, em 2018.

[8] LACAN, J. Do sujeito enfim em questão. In: Escritos Rio de Janeiro: J.Z.E., p.237.

[9] MILLER, J.-A. Como se revoltar? In: Opção Lacaniana – Revista Brasileira Internacional de Psicanálise N. 80/81. São Paulo: Eolia, p. 16.

 

 

Related Posts

Do que fala a psicanálise quando fala de corrida – Daniela Affonso (EBP)

9 de dezembro de 2019

9 de dezembro de 2019

  “Olhei no fundo de mim mesmo, tentando detectar alguma coisa que possa estar ali. Mas assim como nossa consciência...

What psychoanalysis talks about when it talks about running – Daniela Affonso (EBP)

7 de dezembro de 2019

7 de dezembro de 2019

  “I have looked deep inside myself, trying to detect something that might be there. But just as our consciousness...

Aportes sobre la niñez que llevan medio siglo – Inês Ramirez (EOL)

25 de novembro de 2019

25 de novembro de 2019

Periódico Página 12 de 31 octubre 2019 El psicoanálisis con niños, su práctica y teorías orientaron a Freud y a...

Quand le jour s’est transformé en nuit dans la plus grande ville du Brésil – Marcia Stival Onyszkiewicz (EBP)

20 de novembro de 2019

20 de novembro de 2019

Quand le jour s’est transformé en nuit dans la plus grande ville du Brésil[i]   Parmi les changements de plus...

El móvil ha cambiado el amor, el sexo y la libido – José Ramón Ubieto (ELP)

16 de novembro de 2019

16 de novembro de 2019

La Vanguardia 10/11/2019 Ni las relaciones personales, ni las familiares, ni el sexo, ni siquiera el amor son lo que...

Impotence, Impossible, Contingent… -By Isolda Arango-Alvarez (NLS)

16 de novembro de 2019

16 de novembro de 2019

The impotence of the subject is sustained in the fundamental fantasy. What language reveals once and again is its impotence...

From Speaking in Analysis to Writing a Case – Jeff Erbe (NLS)

17 de outubro de 2019

17 de outubro de 2019

Working on the theme ‘constructions’ stirred questions about the relationship between the speaking body in analysis and ‘what is written’...

Mujeres y Vida – O la Maldición de las Criadoras. Por Marie-Hélène Brousse (ECF

13 de agosto de 2019

13 de agosto de 2019

Traducción: María Paz Varela ¿Han visto o escuchado a Kay Ivey? ¡Una mujer vieja y poderosa! Ella es la actual...

Una memoria da campionato – Marco Focchi (SLP)

6 de agosto de 2019

6 de agosto de 2019

Uno dei campi in cui le neuroscienze prediligono esercitarsi è quello della memoria. Dico esercitarsi perché si tratta propriamente di...

Une affaire de corps – Patrick Monribot (ECF))

2 de agosto de 2019

2 de agosto de 2019

« Le réel, (…), c’est le mystère du corps parlant, c’est le mystère de l’inconscient. »[1] La phrase a été...

La “sensibilitée intelligente”, où est-elle ? – Marcia Stival Onyszkiewicz (EBP)

7 de julho de 2019

7 de julho de 2019

La “sensibilitée intelligente”, où est-elle ?[1] Je commence ma participation au blog de l’AMP, en soulignant les échos extraits de...

Pluralisation des ségrégations – Alice Delarue (ECF)

5 de julho de 2019

5 de julho de 2019

Publié sur HebdoBlog La ségrégation, sous ses formes actuelles, concerne de façon brûlante la psychanalyse, du moins celle qui est...

A la pointe de l’érotisme féminin – Anaëlle Lebovits-Quenehen (ECF)

17 de junho de 2019

17 de junho de 2019

Dans son sens courant, l’érotisme relève du désir amoureux, ou plus exactement, de ce qui éveille ce désir. L’érotisme féminin...

Phallus, Paranoïa et bricolage (Deuxième partie) – Marcus André Vieira (EBP)

26 de Maio de 2019

26 de Maio de 2019

(ou Notes de psychanalyse, sexe et politique) L’équation phallocentrique est la superposition pénis et phallus, en tant qu’une seule et...

A propos du phallocentrisme – Marcus André Vieira (EBP)

29 de Abril de 2019

29 de Abril de 2019

(ou Notes de psychanalyse, sexe et politique, première partie)* Qu’est-ce que le phallocentrisme ? Quel est son rapport au phallus...

Comments
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.