13 de July de 2020

Quando o dia virou noite na maior cidade do Brasil – Marcia Stival Onyszkiewicz (EBP)

  Em meio às modificações na paisagem urbana, cada vez mais frequentes, a mudança climática tem expresso relevante destaque[1]. Os…


 

Em meio às modificações na paisagem urbana, cada vez mais frequentes, a mudança climática tem expresso relevante destaque[1]. Os efeitos de rápidos avanços tecnológicos conciliados com um processo irracional que ilimitadamente visa o acúmulo de capital, contribuem para a evolução de um cenário caótico. Uma versão contemporânea das consequências que “A máquina do mundo”, tão bem descrita por Carlos Drummond de Andrade, na década de 50.

 

“ … os recursos da terra dominados,

e as paixões e os impulsos e os tormentos

e tudo que define o ser terrestre

ou se prolonga até nos animais

e chega às plantas para se embeber

no sono rancoroso dos minérios,

dá volta ao mundo e torna a se engolfar

na estranha ordem geométrica de tudo,…”

 

Dentre os variados acontecimentos que favorecem uma reflexão a partir da poesia, estão as ondas de incêndio, a exploração agropecuária e de mineradoras, que favorecem índices assustadores de desmatamento na floresta Amazônica e numa rapidez sem precedentes. Um fato com repercussões mundiais, quando leva-se em conta que a Amazônia é responsável por “até um quarto de tudo o que florestas absorvem de carbono a cada ano”[2] e que hoje ela dá sinais da emissão de um alto índice de CO2 decorrente das queimadas.

Para tornar ainda mais preocupante a situação, “os atuais modelos climáticos sugerem que as árvores têm capacidade de remover grande parte das emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem, da atmosfera. No entanto, uma nova pesquisa indica que a capacidade de absorção da floresta é limitada pelo conteúdo de fósforo no solo.”[3]

E o que cabe aos analistas, senão fazer uso da palavra, este instrumento cada vez mais utilizado para veicular ações desmedidas de autoritarismo e luta pelo poder?

Então, se a poesia de Drummond referencia um movimento de exploração, submissão e repetição, não há como desconsiderar a hipótese de que hoje “A máquina do mundo” é regida por uma urgência que aumenta a expressão da revolta, tornando seu funcionamento ainda mais nocivo.

Mas por que vias focar a urgência? E por que viés ela poderá se articular à revolta?

Para abordar uma primeira vertente, torna-se pertinente resgatar o momento que a civilização da agricultura, que tinha seus norteadores nas estações e nos céus, cedeu a dominância para a civilização da indústria.[4] Eis a elevação dos gadgets, considerados como bússolas promovedoras de satisfação, comandando o discurso da civilização. Por esta lógica, “o sujeito trabalha, as identificações caem substituídas pela avaliação homogênea das capacidades, enquanto o saber se ativa em mentir assim como em progredir, sem dúvida.”[5] Tais elementos, conduzem a outra hipótese: o movimento está em adquirir objetos da cultura que produzam satisfação. Assim, a urgência para obter o capital e o poder, a qualquer preço, vem como promessa para tamponar a falha, que não fica mais recalcada pelos significantes mestres. O que está em jogo é a predominância de um imperativo de gozo, impulsionado pelo mestre moderno.

Mas este posicionamento que pressupõe atingir a felicidade, vem acompanhado do sacrifício. E é neste ponto que é possível pensar a articulação com revolta. “Se a revolta visa ao Outro, o privador, a trajetória de sua flecha atinge e perfura o próprio sujeito, uma vez que se trata de sua vida, da qual ele faz o desafio, que se sacrifica e que se arranca do que constitui a raiz da existência. Nisto, a revolta é uma estrutura em espelho: só atinjo o outro sacrificando a mim mesmo.”[6] Assim, nessa empreitada que se pauta no sacrifício, não se tem o retorno visado. A felicidade não chega conforme o esperado e a revolta pode ser inevitável. Só que ela retorna ao sujeito, porque algo de sua subjetividade é tocada, apesar de nem sempre ser escutada.

Em meio a este movimento regido pelo capitalismo, foi possível resgatar o título de uma exposição da artista Juliana Stein[7]: “Não está claro até que a noite caia”. Seria esta a via para que outra urgência se inscreva? E até onde os efeitos da “noite” precisam chegar para que a urgência subjetiva favoreça o rumo a uma análise?

Lacan, em 1966, ressaltou que enquanto houver um traço do que tem sido instaurado pela psicanálise, “haverá um psicanalista para responder a certas urgências subjetivas, se qualificá-las como artigo definido seria dizer demais, ou até mesmo desejar demais.”[8]

Por este direcionamento, que envolve a urgência subjetiva e a presença de um analista, é viável registrar outra possibilidade de conceber a revolta. Uma vertente que requer um percurso e pressupõe ter “isolado o seu impossível de suportar como sujeito e tendo tomado alguma distância desse intolerável. Para revoltar-se da boa maneira, convém ser avisado da reversão da revolta e de sua relatividade.”[9]

O início do percurso depende de cada um, bem como sua sustentação.

 

Obra de Juliana Stein, da exposição “ Não está claro até que a noite caia ”

 

[1] Referência ao dia 19 de agosto, quando na cidade de São Paulo o dia virou noite, por conta da fumaça vinda de queimadas na região da Amazônia.

[2] INPE. In: http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=5186

[3] INPE. In: http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=5186 São Paulo, 07/08/19.

[4] MILLER, J.-A. Uma fantasia In: Opção Lacaniana N. 42 Revista Brasileira Internacional de Psicanálise São Paulo: EBP, 2005.

[5] MILLER, J.-A. Uma fantasia In: Opção Lacaniana N. 42 Revista Brasileira Internacional de Psicanálise São Paulo: EBP, 2005.

[6] MILLER, J.-A. Como se revoltar? In: Opção Lacaniana – Revista Brasileira Internacional de Psicanálise N. 80/81. São Paulo: Eolia, p. 15.

[7] Juliana Stein, artista visual brasileira, trouxe este título pra a exposição que fez no Museu Oscar Niemeyer, em 2018.

[8] LACAN, J. Do sujeito enfim em questão. In: Escritos Rio de Janeiro: J.Z.E., p.237.

[9] MILLER, J.-A. Como se revoltar? In: Opção Lacaniana – Revista Brasileira Internacional de Psicanálise N. 80/81. São Paulo: Eolia, p. 16.

 

 

Related Posts

Aguafuertes analíticas – Alejandra Breglia (EOL)

25 de junho de 2020

25 de junho de 2020

  El eco de los aplausos resuena, me sorprenden las nueve de la noche. Debería estar preparando la cena, pero...

Clorox & Parkz – Isolda Alvarez (NLS)

2 de junho de 2020

2 de junho de 2020

Psychoanalysts invest their lives re-inventing the ways in which they deal with their own versions of the real, what jouissance...

El despertador – Patricia Moraga (EOL)

6 de Maio de 2020

6 de Maio de 2020

¿Cómo puedo estar segura de que no estoy soñando? Podría ser que, ahora mismo, lo que creo que es realidad...

Banality of the Real – Bogdan Wolf (London Society-NLS)

6 de Maio de 2020

6 de Maio de 2020

It is not a secret that Count Johnson has been using services of various cunning advisers who stand behind his...

The Real of Analytic Abstinence – Geert Hoornaert, Belgium (KRING-NLS)

28 de Abril de 2020

28 de Abril de 2020

  from Lacanian Review Online After Freud pointed out that nothing can be killed in absentia or in effigy, Lacan...

UNA FANTASIA – Néstor Yellati (EOL)

23 de Abril de 2020

23 de Abril de 2020

publicado en Grama Ediciones #CrónicasXXI-31 Pertenezco al gran grupo de los indignados.  Si, mi indignación, como la de muchos, supero...

La sombra de una sociedad policial aún se cierne sobre el futuro – Óscar Ventura (ELP)

20 de Abril de 2020

20 de Abril de 2020

Publicado em Diario  – 13 de abril de 2020 Óscar Ventura lleva semanas atendiendo en Alicante las urgencias de sus...

El reto del sinsentido en la era digital – José R. Ubieto. Psicoanalista en Barcelona (ELP)

17 de Abril de 2020

17 de Abril de 2020

  En la era digital, el humor toma la delantera a lo cómico y al chiste. Millones de memes invaden...

Encontrar en el mismo impasse de una situación la fuerza vital del deseo – Marie-Hélène Brousse (ECF)

31 de Março de 2020

31 de Março de 2020

Traduccíon Karen Edelsztein   “Es la guerra contra el virus “. “Guerra”, este fue el punto de almohadillado en el...

¿Un mundo en cuarentena? – José R. Ubieto (ELP)

14 de Março de 2020

14 de Março de 2020

 El COVID-19 [1]es un nuevo nombre de lo real, eso que de entrada no tiene todo el sentido ya que ...

Ciencia y sueño – El sueño, el dormir y lo intraducible – Gustavo Stiglitz (EOL)

28 de Fevereiro de 2020

28 de Fevereiro de 2020

  “Todas las ciencias descansan en observaciones y experiencias mediadas por nuestro aparato psíquico; pero como nuestra ciencia tiene como...

Un análisis de las masas a partir de las modalidades del Uno, el plus de goce y el no-todo – Marcela Ana Negro (EOL)

4 de Fevereiro de 2020

4 de Fevereiro de 2020

En “Psicología de las masas y análisis del yo”, Sigmund Freud señala: “Habría que prestar atención a las masas de...

El silenciamiento como violencia – Patricia Moraga (EOL)

3 de Fevereiro de 2020

3 de Fevereiro de 2020

  En Vidas precarias, Judith Butler se propone interrogar la vida política en conexión con la violencia.[1] Introduciendo el concepto...

El misterio de los congresos – Mitra Kadivar (AMP)

26 de Janeiro de 2020

26 de Janeiro de 2020

Traducción: Ana Cecilia González Tengo la impresión de haber escuchado el nombre de Freud desde siempre, pero no fue hasta...

Silencing as Violence – Patricia Moraga (EOL)

23 de Janeiro de 2020

23 de Janeiro de 2020

  In Precarious Life, Judith Butler proposes investigating the connection between political life and violence.[1] Introducing the concept of vulnerability,...

Comments
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.