22 de October de 2021

Sobre o falocentrismo (ou Notas de psicanálise, sexo e política, primeira parte) – Marcus André Vieira (EBP)

O que é falocentrismo? O que é falo? E porque falam em queda do patriarcado e do falocentrismo se por…


O que é falocentrismo?

O que é falo?

E porque falam em queda do patriarcado e do falocentrismo se por todo lado só há mais e mais gente falando grosso? A psicanálise é falocêntrica? Freud sim, Lacan não? Porque os psicanalistas são quase sempre de classe-média-branca-no-poder?

Pode ser que nossa programação, genética ou cultural como queiram, defina possíveis e impossíveis para o prazer. Isso não significa, porém, que nela esteja igualmente definida uma identidade de gênero estanque. É exatamente esse o ponto em torno do qual gira o preconceito contra o falocentrismo freudiano, feito de puro mal-entendido. Freud descreveu o modo como o sexual se organizava em sua época, destacando o falo como base dessa organização. As identidades padrão, em sua cultura, se definiam em um continuum que ia do “ter o falo” em um polo a “ser o complemento ideal de quem tem” em outro, o homem de verdade e a mulher de valor por trás de seu sucesso. Seu movimento, porém, era o de indicar como uma análise agia a partir do fracasso dessa identificação, virava-a do avesso. Entendeu-se o contrário, que ele visava a apologia e restauração da identidade fálica.

Quero retomar os pontos principais do debate. Achei melhor recapitular seus pressupostos sob a forma de proposições conceituais afirmativas, de aparência dogmática. Tomem-nas bem mais como pontos sujeitos à discussão, os que mais ressaíram do debate de uma comunidade de psicanalistas, a nossa, reunida sob a expressão “orientação lacaniana”. A lista, vocês verão, tem o aspecto de uma “ascensão e queda” do falo (ele é sempre assim), mas, sobretudo, quer apontar para o próprio da psicanálise lacaniana que ex-siste ao falo, existe fora, mas insiste de dentro, e que seguirá sua lida com o real da psicanálise com ou sem falocentrismo.

  1. O falo é uma imagem de completude

Toma-se uma parte do corpo que de vez em quando se enrijece e dá prazer e o órgão é fixado em sua ereção. O pênis, extraído da natureza do corpo, passa a ser colocado, dessa forma, em totens, vasos etc. Torna-se o falo. A vida que sacudia ocasionalmente esse órgão, agora está totalizada. É o falo do corpo dos deuses, eternamente ereto, imaginário. Portanto, que fique claro: o falo nunca foi o pênis, ele é apenas o pênis “bem na foto”.

  1. O falo é um operador de negativação

Freud destacou ainda que a ideia de um falo ereto em permanência tem efeito paradoxal sobre os que nele creem. Como os órgãos na realidade quotidiana nunca estão o tempo todo nesse estado serão marcados por uma falta que Freud chamou castração e Lacan formalizou como uma lei geral de negatividade. A castração nada tem a ver com mutilação, mas com o fato de que nunca se é infalível como, por exemplo, nos filmes pornô. A crença de que esse falo ereto existe tem efeito sobre todos os corpos, mortais, que dela partilha, o de um indexador de negativação. É o que desenvolve Lacan em seu Seminário 10em torno do tema da tumescência e detumescência do órgão.

  1. O falo é por natureza ambíguo

Completude ou negatividade? Falo imaginário ou falo simbólico? Falo positivo, poderoso ou falo em seus efeitos, significante da falta, do desejo? É impressionante como todos só tem olhos para o primeiro, mas são, na verdade, inseparáveis. Foram necessários Freud e depois Lacan para tornar claro o segundo aspecto, de negativação do gozo (o que não quer dizer que eles o tenham promovido como via correta para a sexualidade).

  1. O falo é um operador de partilha

A crença no falo distribui ainda essa negatividade de maneira binária. Uns acreditarão tê-lo no corpo, ao alcance da mão, serão os ditos masculinos. Não é tão bom quanto parece. Estes, mais que ninguém, sentirão que o deles não é isso tudo, que à diferença do falo imaginário dos deuses, o deles costuma estar flácido e apenas de vez em quando ereto e por isso serão para sempre assombrados com o medo do fracasso. Outros serão levados e crer que não o têm, que aquela coisinha que fazia sua felicidade masturbatória infantil era um engano, que precisariam, para gozar, passar por outro corpo. Esse outro modo de negativação fálica em seus corpos, mais explícito, levará, porém, a um gozo bem menos limitado quando encontrado. Sem medo de perder o que já não têm, esses seres serão mais intensamente “tudo ou nada”. Serão ditas e feitas mulheres. O falo (em seu aspecto simbólico, lógico) é um distribuidor de negatividade de modo complementar.

  1. Falocentrismo é assumir que apenas o pênis pode ser o falo

Só os que tem pênis podem ser machos? Podem ser reconhecidos por esse misto de ação e covardia que caracterizaria a masculinidade? Freud já dizia que não. Basta ter a certeza de que se tem o gozo ao alcance da mão, graças a um complexo jogo de identificações e interdições que Freud chamou de complexo (de castração e de Édipo) para sentir e agir seu corpo ao modo masculino. O mesmo vale para os seres que se identificarão como femininos, mesmo tendo pênis, pois a orientação sexual não se define com relação ao órgão, mas à premissa fálica. Uma sociedade se estabiliza solidamente dessa forma fazendo do binarismo fálico, como diz Lacan, um modelo adaptativo para o desenvolvimento da espécie. É porque essa distribuição binária funciona como a piada da aeromoça que propõe ao passageiro jantar. Ele pergunta “quais minhas opções?” e ela responde “Sim ou não”. Parece pobre, e é, mas por isso mesmo estável.

O problema é tomar essas duas identidades de base como sendo naturais e universais, como se só pudesse haver outras possibilidades de satisfação fora do binarismo edípico a não ser em termos de patologia ou desvio. É esse o centro da equaçãofalocêntrica, o da superposição pênis e falo em uma só e mesma entidade, garantida pela evocação de uma divina natureza, biologia ou bíblia. Seria da natureza do homem ter acesso direto ao poder e ao gozar e da mulher um acesso indireto e seria da natureza das coisas que só houvesse esses dois tipos de formas de vida sexuada, a masculina e a feminina.

Herman Makkink’s sculpture Rocking Machine in Clockwork Orange

Mas…

Nos últimos tempos o falocentrismo foi seriamente abalado. A evidente ressurgência de discursos radicais visando um poder fálico em todo mundo parece desmentir esse abalo. Ela não poderia atestar, como propõe o psicanalista E. Laurent, exatamente uma reação a ele? Nesse sentido, ela ratifica que houve abalo e justificaria amplamente o termo reacionário, no caso do Brasil, como exigência embrutecida de restauração da ordem fálica, hoje no poder. Porque a ordem patriarcal foi tão abalada? Muitas e muitas causas poderiam ser evocadas, que tal essas duas? Por um lado, a reprodução assistida esvazia a necessidade da cultura de sacralizar a diferença macho e fêmea, o que leva a um abalo na função da família como sede da diferença binária entre sexos. Por outro, o Google, como paradigma de um novo modo de relação com o saber, infinitamente ali e infinitamente disponível, esvazia a necessidade da diferença de gerações para que o saber da experiência acumulado por uma geração possa ser transmitido à outra. Por essas razões ou por outras o fato é que “pai e mãe” e “homem e mulher” deixam de ser vitais para a sobrevivência da espécie. Não foi culpa do PT.

Como ficam falo, falocentrimo, democracia e a psicanálise nesse contexto?

(continua)

Related Posts

CLIP de remerciements Lacan Web TV

22 de setembro de 2021

22 de setembro de 2021

Le 2 février 2021, le conseil de l’École de la Cause freudienne votait à l’unanimité la création d’une chaîne youtube...

Introdução a uma conversa sobre a questão trans – Roger Litten (NLS)

21 de junho de 2021

21 de junho de 2021

por Florencia Shanahan       Preparei alguns comentários preliminares formulados, tanto quanto possível, sob a forma de perguntas. Elas...

Introduction to a Conversation on the Trans Question – Roger Litten (NLS)

21 de junho de 2021

21 de junho de 2021

by Florencia Shanahan I have prepared some preliminary comments formulated as far as possible in the form of questions. They...

Transformaciones del bien. Transformaciones de la lengua – Candela Méndez (EOL)

18 de junho de 2021

18 de junho de 2021

por Ruth Gorenberg   A partir de la entrada, en 1970, de los movimientos feministas en las universidades norteamericanas, se...

Una enseñanza: eso marcha, eso falla, eso abre camino – Mónica Boada (Sección La Plata)

3 de junho de 2021

3 de junho de 2021

por Ruth Gorenberg     Un principio, un hilo “Al principio no está el origen, está el lugar. […] Se...

¿Qué salidas? – Marisa Chamizo (EOL)

14 de maio de 2021

14 de maio de 2021

Krisis, en griego antiguo, remite tanto a un cambio caracterizado por el deterioro repentino y violento de una situación, como...

Lo trans, una respuesta más – Viviana Mozzi (EOL)

4 de maio de 2021

4 de maio de 2021

  La caída del Otro, la feminización del mundo, la declinación de la excepción del Nombre del Padre, son todos...

EL ABORDAJE DE LA DEBILIDAD MENTAL: DE LA PSIQUIATRÍA INFANTIL AL PSICOANÁLISIS – Mathieu Siriot (Paris)

2 de maio de 2021

2 de maio de 2021

Los primeros pasos de la psiquiatría infantil moderna se sitúan a principios del siglo XIX y surgieron por influencia de...

La opacidad del analista-trauma* – Leonardo Gorostiza (EOL)

27 de outubro de 2020

27 de outubro de 2020

    Un excedente sexual El trauma es, para el psicoanálisis, una dimensión estructural y constituyente de todo hablante ser...

Pulsione di morte e desiderio nell’insegnamento di Lacan – Roberto Pozzetti (SLP)

2 de outubro de 2020

2 de outubro de 2020

  Pulsionale versus relazionale Incalzante, insistente e soltanto apparentemente scivolosa, soltanto ingenuamente insidiosa, rimane la critica rivolta alla psicoanalisi freudiana...

Actualité de la haine, une perspective psychanalytique – Anaëlle Lebovits-Quenehen

31 de agosto de 2020

31 de agosto de 2020

    Navarin éditeur, 2020   Actualité de la haine. Une perspective psychanalytique part d’un constat : la haine revient hanter...

Violencias sobre los cuerpos en la era de la técnica – Juan José García

23 de agosto de 2020

23 de agosto de 2020

  El texto reflexiona sobre dispositivos que se hacen evidentes en el contexto actual y que forman parte del transcurrir...

Comments
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.